22.6.08

Eurodeputados portugueses: políticos ou palhaços?

Portugal tem 24 deputados no Parlamento Europeu. Três deles, pelo menos, manifestaram o seu apoio à chamada “Resolução McCann”: Ilda Figueiredo (PCP), Ribeiro e Castro (CDS) e Jamila Madeira (PS). Carlos Coelho, do PSD, chamou os bois pelo nome: os McCann lançaram uma campanha de Relações Públicas para se apropriarem de uma inicativa do Parlamento Europeu, que estava em curso, afirmou. Ribeiro e Castro, por exemplo, revelou à RTP que é um dos subscritores da "Resolução McCann".

Nenhum destes 24 cidadãos portugueses - que têm a responsabilidade política de nos representar no Parlamento Europeu - se manifestou contra o facto de cinco dos seus colegas terem convidado dois indivíduos, considerados pelas autoridades judiciais portuguesas como sendo suspeitos de um crime, para participarem numa conferência de Imprensa, nas instalações do mesmo Parlamento Europeu, a fim de apresentarem a tal "Resolução McCann".

Ficaram silenciosos perante um insulto e uma ofensa dirigidos ao Ministério Público, à Polícia Judiciária e, indirectamente, ao próprio Estado português. Convidar dois arguidos, suspeitos de envolvimento no desaparecimento da própria filha, para apoiar uma resolução a apresentar ao Parlamento Europeu, é um acto de desrespeito e total desprezo pela integridade, credibilidade e honorabilidade das autoridades judiciais e policiais portuguesas, que constituíram Kate e Gerry McCann como arguidos num processo-crime que ainda decorre.

O silêncio destes 24 deputados deputados portugueses do Parlamento Europeu, nesta matéria, leva-me a questionar se nós, eleitores portugueses, estaremos ali representados por um grupo de políticos ou por uma troupe de palhaços.

2 comentários:

Cláudia disse...

Trupe de palhaços, claro. Sem ofensa para os verdadeiros, claro está, que fazem muitas crianças felizes, enquanto estes palhaços de trazer por casa só nos envergonham e enojam.

maria disse...

Só hoje li esta Sua opinião.Eu vi também a reportagem no Jornal da Rtp1.Gostei de ouvir as declarações do Deputado que foi ouvido em 1ª lugar.
Quanto às outras,o que pensei e sinto é que estariam fora de contexto,para dar a ideia que os apoiavam.Mas,não é isso.Estavam fora de contexto devido ao alinhamento e para criar más expectativas para com a esquerda.
(Então a Ana Gomes,que os apoia incondicionalmente?).Esta sim.
Fora de contexto intencionalmente;a manipulação existiu.Puseram-nos a falar do projecto global e não da declaração.Passaram o que quiseram,S.M.